Please reload

Posts Recentes

Terapia online na Libertá Psicologia

August 14, 2020

1/7
Please reload

Posts Em Destaque

5 Coisas que Pais Ausentes Infelizmente Ensinam

Você conhece algum pai ausente? Você sabia que a ausência de um pai também ensina? Um pai ausente pode ser aquele que mora em casa, mas é indisponível para os outros membros da família. O pai ausente também pode ser aquele que abandona a família e os filhos. Veja aqui 5 coisas que pais ausentes infelizmente ensinam.

 

1- O pai ausente ensina que as mães são as únicas responsáveis pela educação dos filhos

 

Que o papel da mãe é indispensável na educação dos filhos, isso todos já sabem. Mas delegar essa função exclusivamente à mãe é desnecessário e irresponsável. Cada um dos pais tem a sua responsabilidade, seja enquanto pai ou enquanto mãe. As responsabilidade de cada um são complementares e não substituíveis; um consegue substituir ou suprir a falta do outro, por mais que se tente.

 

O pai ausente, seja ele morando em casa, mas indisponível emocionalmente ou o pai ausente morando longe, infelizmente ensina esses valores e formas de convivência disfuncionais quanto à educar os seus filhos. Delegam para a mãe a sua parte, se livram do peso da responsabilidade e sobrecarregam as mães, que tentam dar conta do sobrepeso. Os filhos crescem com esse modelo.

 

2- O pai ausente ensina que a família e as relações são descartáveis  

 

O pai que abandona o lar e a família, seja fisicamente ou emocionalmente, e logo em seguida entram em outro relacionamento, ensina que as relações são descartáveis. A qualquer momento ele pode e tem o direito de trocar de família para assim viver mais feliz. Mas a família e os filhos são elos de ligação para toda uma vida. Filhos são um pedaço de cada um dos pais, igualmente. Não se descarta pessoas nem muito menos filhos.

 

3 –  O pai ausente ensina que o abandono é a única opção para as dificuldades

 

O abandono é sim uma opção. Mas antes dessa opção, outras podem surgir como alternativas. Assim, o pai pode conversar, negociar, tentar mudanças de atitudes, planos e outros. Pode estar distante, mas presente. A presença também é uma opção. Lutar pelos os que se amam é uma opção. O pai que abandona é um pai que desiste, não luta, não faz questão de estar presente e ser presente na vida da família.

 

4 – O pai ausente ensina que ‘saudade não existe’ 

 

Como para o pai o abandono é  uma opção que resolve os problemas, se o problema para ele está resolvido e ele está aliviado, então saudade não existe para ele, ou se existe para ele, ela logo deverá ser substituída. Como ele pensa assim, ele também tende a generalizar que sua família também pode pensar da mesma maneira.

 

O pai não leva em consideração que a sua ausência provocará saudade e sofrimento, ou se leva isso em consideração, não dá a devida importância.  Instala-se na família a dor de uma perda, um luto de uma convivência.

 

5- O pai ausente ensina que pensar em si mesmo é a única opção 

 

O pai ausente é uma pessoa que pensa em si e decide o que é melhor para si. É claro que devemos pensar em nós mesmos e decidirmos o que é melhor para nossas vidas. Isso é saudável e traz qualidade de vida. Mas amar também é abrir mão de um pedaço de nós, do nosso tempo, das nossas prioridades. Porque o amor é o mais importante, e fazer o que importa é o que nos faz mais humanos.

 

O problema para o pai ausente é quando essa premissa se torna uma regra ao pé da letra, onde o importante é ser feliz ao custo da infelicidade de outros que nos amam. Ele não quer abrir mão do seu tempo, da sua liberdade, do seu trajeto. E deixam muitos que o amam pelo caminho.

O que podemos fazer diante dos ensinamentos do pai ausente?

 

Essas 5 coisas que os pais ausentes infelizmente ensinam, fazem parte de muitas famílias, de muitos filhos pequenos. Os pais ausentes infelizmente ensinam valores distorcidos e formas de lidar com as dificuldades e frustrações de forma egoísta e disfuncional, gerando sofrimento por onde passa.

 

Enquanto educadores, devemos ensinar às crianças que existem formas mais assertivas de convívio e de resolução de problemas, que os valores que devemos priorizar são as pessoas que amamos e que nos amam. Os pais ausentes ensinam sim, mas podemos ensinar ainda mais: mais amor, mais educação, mais respeito, mais presença.

 

Para saber mais, fale com a psicóloga.  Para saber como podemos ajudar você e seu filho, veja como funciona nosso Programa de Orientação de Pais. 

 

Por Psicóloga Patrícia Machado (CRP 01/9368).

MBA em Clínica Interdisciplinar da Infância e Adolescência e Especialista em Terapia Cognitivo Comportamental.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga